<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=542815619221093&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Top 10 melhores meias do 1º turno do Brasileirão 2017

top-melhores-meias-do-turno-do-brasileirao

Crédito foto: Getty Images

A camisa 10 de um time já teve seu valor simbólico mais exaltado. Hoje, com o grande desenvolvimento físico do esporte, as competições passaram a ser niveladas primeiro pelo fator físico para em seguida a parte técnica fazer diferença, não sendo incomum que jogadores com clara dificuldade com o passe e no domínio se superem fisicamente e consigam atingir o mesmo nível de atuação que outro mais qualificado na parte técnica. Com isso, o jogo se tornou mais acelerado, mais constante e dinâmico e essa elevação no nível físico acabou tirando o espaço de atletas mais talentosos, sem o preparo necessário ou descompromissados.

Dessa forma, ao fim do primeiro turno do Campeonato Brasileiro de 2017, o Corinthians lidera a competição com a melhor campanha da história e tem como marca a coletividade, a entrega física e tática, de uma equipe que tem potencial técnico, mas se destaca por ser muito bem treinada por Fábio Carille, que tem seu trabalho como exemplo de como se praticar o esporte nos dias atuais, mentalmente e taticamente. Porém, mesmo em um momento em que o coletivo se sobressai muito mais que o talento individual, que já foi marca do campeonato nacional, ainda temos jogadores que dão gosto de ver. A camisa 10 pode ser menos simbólica do que já foi, mas grandes atletas ainda fazem a diferença.

Assim, o Esportudo separou um Top 10 dos meias mais decisivos e importantes para suas equipes nesse primeiro turno do Brasileirão. Confira!

10. Lucas Lima

Desde 2014 vestindo as cores do Santos, Lucas Lima não vive seu auge no Peixe, mas ainda assim segue sendo decisivo. Muito bom passador, Lucas tem média de 86% de acertos nos passes, e por mais que não venha tendo um Campeonato Brasileiro excepcional, vem ajudando muito a equipe na temporada. Porém, com três assistências na competição, Lucas não se firma como um grandíssimo jogador por não saber chutar e fazer gols. Com 15 assistências e apenas dois gols na temporada, o atleta tem média de apenas 1,16 finalizações por jogo na liga nacional, sendo 60% das tentativas para fora, e ainda não tem nenhum gol. Lucas Lima é inquestionavelmente muito criativo para a equipe santista e por mais que se porte em campo mais como um segundo volante, com liberdade para jogar, do que um meia armador, é muito decisivo e se aprimorado nas finalizações, com vontade e personalidade para decidir, pode fazer a diferença no campeonato.

9. Éverton Ribeiro

Éverton Ribeiro se firmou como um jogador diferenciado após o bicampeonato brasileiro com o Cruzeiro. Após passagem rápida pelos Emirados Árabes, voltou como a grande contratação Rubro Negra para a temporada 2017, prometendo uma dupla de meio campo de muito destaque com Diego. Com quatro assistências e dois gols marcados no Brasileiro, Éverton ainda não apresentou o seu melhor futebol. Claramente o jogador é muito habilidoso, rápido para pensar as jogadas e ágil para se livrar dos zagueiros, porém, ainda não parece estar totalmente adaptado ao time. Canhoto, o jogador finaliza muito bem de longa distância, mas se destaca mesmo pela facilidade em achar o atacante bem posicionado. Com média de dois passes para chutes por jogo, o jogador mostrou no primeiro turno seu lado garçom, mas ainda assim balançou as redes. Para o segundo turn, Éverton deve ter uma grande evolução. Com mais entrosamento e conhecendo melhor o grupo, tem tudo para ajudar o Flamengo e terminar a competição como um dos melhores na posição.

8. Gustavo Scarpa

Scarpa é mais um jovem jogador muito interessante da base do Fluminense. Aos 23 anos, o atleta chega a seu quarto Campeonato Brasileiro, mas está um pouco abaixo desde que voltou de lesão. Com um gol – um golaço contra o Sport – e cinco assistências, o camisa 10 comanda o jovem time tricolor carioca que faz campanha mediana, mas surpreendente, dado o baixo orçamento do time e os muitos jogadores da base. Com média de duas finalizações por jogo, Scarpa tem como sua principal característica o chute. Podendo jogar também pelos lados, o jogador é muito versátil e tem muita habilidade. Com características de camisa 10, Scarpa faz jus ao número que carrega nas costas. Com muita qualidade no passe e lançamento, perigoso nas bolas paradas e ainda muito jovem, o jogador é muito importante e decisivo para o bom desempenho fluminense e, muito em breve, deve estar figurando como um dos grandes jogadores do campeonato nacional.

esportes-instagram

7. Diego

Diego chegou no meio de 2016 ao Flamengo para reforçar o elenco carioca. Com passagens por grandes times da Europa, o meio campista retornou ao campeonato nacional 12 anos depois de sair do Santos, onde foi bicampeão do Brasileiro. Com quatro gols marcados e duas assistências em 15 jogos, Diego ainda não chegou no seu melhor, mas já mostrou que ainda é um grande jogador, de quem pode se esperar muita coisa. Muito técnico, perfeito nos fundamentos e hoje bastante experiente, o atleta de 32 anos, além de distribuir o jogo e procurar o último passe, é muito incisivo perto da área, sendo um dos meias que mais finalizou no campeonato, com 26 chutes no total. Porém, ainda como todo o time flamenguista, Diego mostra potencial, mas não consegue decolar. O primeiro turno do jogador foi mediano para seus padrões, e pode-se esperar uma melhora no desempenho não só dele como da equipe, que deve se manter na briga pelas vagas da Libertadores.

6. Jadson

Jadson chegou no começo da temporada de 2017 para ser referência no elenco corintiano. Campeão Brasileiro com Tite e Carille em 2015, o camisa 10 demorou a entrar em forma no começo da temporada, mas nesse Campeonato Brasileiro vem sendo muito importante para a equipe alvinegra. Com uma assistência e quatro gols marcados, dois em clássicos – contra Palmeiras e São Paulo – e um contra o Grêmio, concorrente direto pelo título, Jadson não se destaca tanto quanto em 2015 –quando fez 13 gols e deu 12 assistências - mas é muito decisivo em jogos cruciais. Contra o Palmeiras, teve a difícil responsabilidade de bater um pênalti contra o rival e foi perfeito na cobrança. Já contra o vice-líder Grêmio, acertou um forte chute e fez o único gol de um jogo muito decisivo. Assim, o meio campista de 33 anos demonstrou que pode ser muito útil à equipe corintiana também nesse segundo turno. Machucado, ficou de fora das últimas partidas do time, que sentiu sua falta, mas manteve o nível de atuação e mostrou que não depende de nenhum talento individual.

5. Rodriguinho

Rodriguinho voltou ao Corinthians, em sua segunda passagem pelo clube, no começo de 2015. Campeão Brasileiro daquele ano, o jogador não atuou tanto, sendo reserva na maior parte dos jogos. Após o desmanche do time campeão corintiano, Rodriguinho assumiu a vaga de titular em 2016, e após muitos questionamentos quanto a sua qualidade, conseguiu a confiança da torcida e passou a desempenhar um bom futebol. Quase ambidestro, Rodriguinho é um jogador de muita técnica e disciplina tática e além de ajudar o time na armação, sabe finalizar muito bem a gol. Na campanha meteórica do Timão em 2017, que possibilitou a convocação do meia para a seleção, Rodriguinho é peça muito importante. Com três gols e três assistências em 15 jogos, o jogador se destacou no primeiro turno e ajudou muito a equipe corintiana.

4. Guerra

Alejandro Guerra chegou ao Palmeiras após a melhor fase da carreira, coroada com a conquista do título da Libertadores com o Atlético Nacional-COL. Aos 32 anos, Guerra ainda tem muito talento. Com bastante qualidade técnica e criatividade, o meia palmeirense ainda finaliza bem, tendo 55% de acertos em suas finalizações. Muito habilidoso, o meia faz muito bem a transição entre as linhas de zaga do adversário, e com quatro gols e três assistências em 11 jogos no Brasileirão, é essencial no melhor esquema palmeirense. Entretanto, Guerra deixa a desejar na questão física. Com muito desgaste entre as partidas, é comum que o jogador seja poupado ou esteja vetado pelo departamento médico, e sua ausência é muito sentida pela equipe. Com Guerra em campo, o Palmeiras tem 64% de aproveitamento dos pontos. Sem ele, o aproveitamento cai para 41% no Brasileiro. Assim, Alejandro Guerra é um jogador muito diferenciado e que nesse campeonato, mesmo sem a sequência ideal, está sendo bastante decisivo na campanha palmeirense.

facebook-de-esportes

3. Diego Souza

Com a chegada de Vanderlei Luxemburgo, Diego Souza voltou a jogar no meio de campo, mas não deixou de ser fundamental para o time do Sport. Com seis gols e uma assistência em 12 jogos no Brasileirão 2017, Diego passou a jogar mais recuado, como um meia armador, mas que ainda finaliza, entra na área, busca o cabeceio e faz pivô, e não à toa todos os seus gols no Brasileiro foram marcados de dentro da área. Referência técnica da equipe, Diego jogou por muito tempo como um meia, inclusive em sua passagem pelo Palmeiras, junto a Luxemburgo, em 2008. Nos últimos anos, vinha atuando como centroavante, posição na qual foi convocado para a Seleção Brasileira, mas é um jogador muito versátil, que se readaptou muito facilmente a nova posição e tem a confiança de Luxemburgo. Com média de um gol a cada dois jogos, mostra que mesmo recuado ainda sabe balançar as redes, e assim, promete fazer um ótimo segundo turno e ajudar na campanha do Sport, que sonha com uma vaga na Libertadores.

2. Ramiro

Com quatro gols e três assistências em 15 jogos, Ramiro vem se destacando pelo Grêmio no Campeonato Brasileiro. Com média de 60 passes por jogo, taxa de acerto de 89% e com 1,5 desarmes por jogo, Ramiro é um meio de campo moderno, sem uma função fixa, que tem presença no ataque, mas é essencial na defesa e saída de bola. Dos 39 pontos do Tricolor Gaúcho, apenas seis foram conquistados sem Ramiro, que se destaca por sua versatilidade e pela dinâmica que dá ao jogo, distribuindo passes como um volante, facilitando a saída de bola gaúcha e pela presença ofensiva, podendo até jogar na ponta direita, chegando para marcar ou servir um companheiro melhor colocado. Porém, a presença constante de Ramiro entre os titulares só foi possível pela lesão de Douglas, camisa 10 do time.

Com isso, o time gaúcho ficou sem nenhum meia armador de ofício e passou a jogar com três meio campistas, com um primeiro volante fixo, dando liberdade para os meias da frente, ora como segundos volantes ora como meias armadores. Assim, Ramiro é uma boa surpresa desse primeiro turno. O jogador vem tendo atuações muito firmes e convincentes, participando com gols, na criação deles e na parte defensiva do time. Sem dúvidas, um dos grandes jogadores do campeonato e mais um reflexo do futebol moderno.

1. Thiago Neves

Thiago Neves voltou ao Brasil para jogar no Cruzeiro, e mesmo sem muito tempo no clube, já parece estar muito bem adaptado. Com cinco gols e duas assistências, Thiago vem sendo peça chave no esquema de Mano Menezes, que arma o time em um 4-2-3-1, por vezes um 4-3-3 ou 4-4-2, e tem em Thiago Neves o centro da parte criativa e ofensiva do time. Com uma sequência de quatro gols em quatro jogos, o camisa 10 cruzeirense demonstrou que é muito eficaz nas finalizações. Com 50 chutes no campeonato, o atleta tem média de 3,5 finalizações por jogo, acertando o gol em 64% das oportunidades. Além de muito forte nos chutes, Thiago é muito técnico e tem muita visão de jogo.

Aos 32 anos, o jogador tem a inteligência adquirida com a experiência em campo, é perigoso nas bolas paradas e sabe se adequar à necessidade do jogo. Podendo jogar pelas pontas, o jogador é muito talentoso e veloz para pensar as jogadas, não sendo difícil que deixe um ou mais companheiros em boas condições de fazer o gol. Dessa forma, Thiago Neves foi o melhor meia armador desse primeiro turno e mesmo com a instabilidade da equipe mineira, conseguiu reapresentar o bom futebol dos tempos de Fluminense, sendo indispensável na campanha cruzeirense.

E aí, curtiu o nosso conteúdo? Comente e acompanhe mais notícias do seu esporte favorito no Esportudo.com!

Veja também:
Top 10: Os jogadores mais valiosos atuando no futebol brasileiro
DNA: Por que o Corinthians joga tão bem sem a bola?
6 momentos inspiradores para o São Paulo sair da zona de rebaixamento

Veja Mais Notícias Assim

 

Categorias: Futebol, Futebol brasileiro, Brasileirão, Top 10, Top, Melhores, Meias, Brasileirão 2017, turno

João Pedro Calachi

Escrito por João Pedro Calachi

Palmeirense, estudante de jornalismo na PUC-SP e fanático por esportes.

Lists by Topic

see all
New Call-to-action