<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=542815619221093&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

DNA: Por que o Corinthians joga tão bem sem a bola?

dna-por-que-o-corinthians-joga-tao-bem-sem-a-bola

Crédito foto: Getty Images

Estamos à beira do fim do primeiro turno do Campeonato Brasileiro e o Corinthians é mais líder do que nunca. Desacreditado no começo do ano, o time de Fábio Carille bate recordes de vitórias e caminha para terminar o turno com o melhor aproveitamento da história dos pontos corridos.

Mas, por que um time com investimento mediano e um técnico inexperiente no futebol profissional está conseguindo chegar tão longe? No primeiro momento, analisando friamente as estatísticas, nos deparamos com uma que nos salta os olhos: o time do Parque São Jorge em 11, de suas 12 vitórias, teve menos posse de bola, em contrapartida, sempre que empatou teve mais a pelota.

Nas exibições mais convincentes do Timão no campeonato, a equipe alvinegra obteve, respectivamente, 39% de posse no clássico contra o Palmeiras, 44,2% na goleada contra o Vasco, e 45,9% no triunfo ante o Grêmio.

Mas, então, vamos refazer a pergunta: Por que o Corinthians está indo tão longe jogando “sem a bola”? A resposta não é difícil e nem precisa do apoio de milhares de estatísticas. O time tem um plano de jogo, baseado em suas capacidades, e consegue exercê-lo no ápice de sua condição.

Isso significa que, já que a equipe alvinegra não tem os melhores jogadores do país, não ousa praticar o que não consegue, mas sim se proteger na tentativa de ser o mais pragmático e coeso possível. Esperando o adversário no campo de defesa, o time de Carille consegue compactar as linhas, inibir penetrações e se tornar a equipe menos vazada do torneio.

Já quando tem a bola, a regra no Corinthians é ser eficiente, sem precisar ser brilhante. A equipe é a que menos erra passes no campeonato, além de ser a terceira com a melhor pontaria no gol. O sucesso do Timão jogando sem a bola não está descolado do Brasileirão em geral, ao todo nesta edição do campeonato quem teve menos a bola ganhou 75 vezes, empatou 39 e perdeu só 46, totalizando um aproveitamento de 55% (superior ao do Palmeiras, quinto colocado).

Com isso, não resta nada além de parabenizar Carille e o elenco pelo trabalho, que em sua compreensível limitação supera o talento inconstante de outros.

instagram-de-futebol

E aí, curtiu o nosso conteúdo? Comente e acompanhe mais notícias do seu esporte favorito no Esportudo.com!

Veja também:
O Jogo do Repórter: De maturidade à evolução, surge um novo camisa
Top 7: Jogadores mais jovens a marcar no Brasileirão
Veja os técnicos que estão nos cargos há mais tempo no Brasil

Veja Mais Notícias Assim

 

Categorias: Futebol, Corinthians, Futebol brasileiro, campeonato brasileiro, Bola, dna

Gabriel Ambrós

Escrito por Gabriel Ambrós

Estudante de Jornalismo da Faculdade Cásper Líbero e apaixonado por esportes.

Lists by Topic

see all
New Call-to-action