<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=542815619221093&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

O Jogo do Repórter: Resposta não dada realça insegurança do Palmeiras

o-jogo-do-reporter-resposta-nao-dada-realca-inseguranca-do-palmeiras

Crédito foto: Divulgação / Site Oficial do clube / Cesar Greco

Quando na última quarta-feira, 09, Egídio foi para aquela bola, nem mesmo o mais otimista dos palmeirenses acreditava que o lateral converteria o pênalti. Olha que coisa maluca. No momento mais importante de um time durante uma competição de mata-mata, nem o torcedor consegue apoiar com toda a sua crença.

Insegurança: sensação ou sentimento de não estar protegido; falta de confiança em si mesmo, em suas próprias qualidades ou capacidades. (GOOGLE DICIONÁRIO). Em quantos momentos de nossas vidas essa palavra de 11 letras é determinante? O que mais ouvimos ao longo da nossa jornada é “Vai aprender a dirigir? Esteja seguro”, “Vai para uma entrevista de emprego? Não demonstre insegurança”, “Tem uma prova para fazer? Relaxa, você estudou, pode ficar seguro”. Pois é, segurança, é isso o que falta neste Palmeiras de 2017.

São diversos fatores que evidenciam a falta de convicção nas atitudes palmeirenses, desde a diretoria até a própria torcida. Qual foi a última vez que se ouviu das arquibancadas a música “O Senhor é palmeirense e palmeirense eu também sou. Eu sou da Mancha, Ele também. Nós somos do Porco”? Qual foi a última vez que você viu/ouviu mais de 38 mil alviverdes invocarem as forças maiores e apelarem para a fé assim, em voz alta? Inclusive, aplausos para a linda festa vinda das arquibancadas do Allianz Parque, mas até isso soava estranho, mais uma vez, inseguro. Parecia que alguma coisa precisava ser provada, além das quatro linhas.

o-jogo-do-reporter-resposta-nao-dada-realca-inseguranca-do-palmeiras-moises

Crédito foto: Getty Images

esportes-instagram

É fato que o clube não está em seu melhor momento, foi sua terceira eliminação neste ano, mas a insegurança é tão aflorada que o medo era do Barcelona de Guayaquil-EQU. Não estamos falando de um Peñarol-URU, ou até mesmo um Atlético Paranaense (sem desmerecer, mas dentre os brasileiros que ainda estão no torneio, é o mais fraco). Além disso, o jogo era em casa, com um placar absurdamente reversível.

Mas, quando não se está seguro, até a brisa da noite se torna uma ameaça. Uma pergunta sobre este sentimento foi uma ameaça à Cuca, que não respondeu e se atentou apenas à festa da torcida, mesmo esta, apreensiva, permanecendo calada quando o time precisava fazer só mais um gol, com ainda dez minutos do segundo tempo. Se antes essa palavrinha não dizia muito sobre o cargo do treinador, hoje ele já admite estar ameaçado.

Os mais de R$110 milhões gastos em contratações de reforços e garantias de jogadores evidenciava uma ânsia de se ter os melhores a qualquer custo. Algo do tipo: ou vai, ou vai! “A Taça Libertadores obsessão”, Cuca sentiu isso e “jogou” em campo - na derrota nos pênaltis - fulano, fulano e fulano, sem nem raciocinar que Dudu não é armador, que chuveirinho sem propósito não ganha jogo, que Tchê Tchê não está bem e que Keno pode esperar o segundo tempo para entrar. Que precisava de alguém que organizasse o meio campo e fizesse essa ligação, achando ora ou outra Deyverson, que acabou ficando isolado.

O fim desta história já estava desenhado muito antes do apito final do bom árbitro Nestor Pitana. Dudu correria se machucou na tentativa de ir para a frente sempre, Mina, o protetor da zaga, quebrou o dedo do pé na fúria de tirar a zica, e Moisés, o iluminado camisa 10, mal retornou de lesão e sabendo que poderia ser o herói (foi dele o gol da vitória por 1 a 0), foi ao limite por um sonho. Outra baixa!

Fora da Libertadores da América, resta voltar os olhos ao Campeonato Brasileiro. Quarto colocado com 32 pontos, ou o Palmeiras retoma a segurança nos seus bons jogadores, torcida e comando técnico, ou já vai sofrer para vencer o Vasco fora de casa neste domingo, 13.

E aí, curtiu o nosso conteúdo? Comente e acompanhe mais notícias do seu esporte favorito no Esportudo.com!

Veja também:
O Jogo do Repórter: A culpa da eliminação está longe de ser de Egídio
Top 10: Os jogadores mais valiosos atuando no futebol brasileiro
5 excelentes jogadores que você talvez não conheça

Veja Mais Notícias Assim

 

Categorias: Futebol, Palmeiras, libertadores, Futebol brasileiro, O Jogo do repórter, resposta, insegurança

Mariana Pereira

Escrito por Mariana Pereira

Jornalista Esportiva - e fotógrafa nas horas livres - formada pela PUC-SP e pós graduada na área pelo Instituto de Pós Graduação - IPOG. Escreve para o Esportudo desde 2016 e se tornou Editora em fevereiro de 2017.

Lists by Topic

see all
New Call-to-action