<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=542815619221093&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

5 fatos sobre Calleri, sensação do São Paulo e artilheiro da Libertadores

artilheiro-da-libertadores-calleri-sao-paulo

 

(Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)

Com sete gols marcados em seis jogos na Libertadores 2016, Jonathan Calleri, de apenas 22 anos, ganhou a simpatia da torcida são paulina, que já criou até uma música para o atacante. Considerado um dos destaques da última temporada do futebol argentino, quando atuava pelo Boca Juniors- ARG, Calleri chamou a atenção de diversos clubes europeus. No entanto, até 30 de junho, ele segue sendo uma peça essencial no elenco do São Paulo e caso o time seja campeão da Libertadores, há possibilidade de sua permanência. 

5 fatos do artilheiro da Libertadores e do São Paulo, Jonathan Calleri


 

1. Golaço digno de Puskas

No ano passado, ainda atuando pelo Boca Juniors, Calleri marcou um inesquecível gol de letra, por cobertura, no Quilmes e vencendo o jogo por 2 a 1, na Bombonera. O feito do atacante arrancou aplausos de toda a torcida e até mesmo de Diego Maradona, que estava presente na partida.

 

 

 

 

2. All Boys e Boca Juniors

Apesar de ter sido um dos destaques do Boca Juniors na temporada passada, Calleri foi revelado pelas categorias de base do modesto All Boys. O rapaz tem um vínculo especial com o clube, já que seu pai atuou lá durante os anos 1980 e posteriormente como técnico, treinando Calleri durante sua passagem pela base. 

O atacante só viria a fazer sua estreia profissional aos 19 anos de idade, contra o Estudiantes, durante a Copa da Argentina, em agosto de 2013. Em 2014 assinou contrato com Boca Juniors, onde conquistou dois títulos com clube nas temporadas 2014/2015, o Campeonato Argentino e Copa da Argentina.

(Foto: Reprodução/ Infobae)

 

3. Néstor Fabbri

Antes de chegar ao São Paulo, Calleri era pretendido por outros grandes clubes brasileiros, como Atlético Mineiro e Cruzeiro. No entanto, o que poucos sabem é que, uma ligação telefônica do técnico Edgardo Bauza foi essencial para a escolha do atacante. Isso aconteceu pelo fato de Bauza ser muito amigo de Nestor Fabbri, ex-zagueiro com quem foi vice-campeão da Copa do Mundo de 1990, ídolo do Boca Junior e tio de Calleri. Ao que ao que tudo indica, Fabbri aconselhou o sobrinho a seguir para o clube do Morumbi.

(Foto: Reprodução/ FreeForuns)

 

4. “Toca no Calleri que é gol!”

A agilidade, velocidade e inteligência para se movimentar na pequena área faz de Calleri um eficiente jogador, fato que o já fez cair nas graças dos são paulinos. Acostumada a recepcionar muito bem jogadores sul-americanos, a torcida até já ganhou preparou um canto, que pode ser ouvido todas as vezes em que o argentino está em campo.

 

 

 

 

5. Artilheiro e ídolo em potencial

Com 10 gols e três assistências, as boas atuações do argentino chamaram atenção da diretoria, que já manifestou o desejo de tê-lo pelo resto da temporada. Além disso, nessa edição da Libertadores, ele já conseguiu igualar a marca de nomes como Raí e Toninho Guerreiro, ocupando a 9ª colocação no rol dos maiores goleadores do São Paulo na competição sul-americana. Dessa forma, se ficar no São Paulo, Calleri já esboça um perfil de ídolo em potencial da torcida.

(Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)

 

Veja Mais Notícias Assim 


 

Categorias: Futebol, Futebol brasileiro, Copa Libertadores

Recent Posts

Lists by Topic

see all
New Call-to-action